Beleza natural

A taipa em evidência: dos projetos de Francis Kéré a uma casa no interior paulista feita exclusivamente com materiais brasileiros

Insta: BRASIL ARQUITETURATAIPAL CONSTRUÇÕES EM TERRA

O prêmio Priztker 2022, concedido a Diébédo Francis Kéré, jogou ainda mais luz sobre assuntos que estão na pauta do dia de profissionais e do público, em geral, que buscam soluções construtivas de baixo impacto. Uma delas, a taipa de pilão, técnica ancestral ofuscada por outras tecnologias que surgiram no decorrer do tempo, foi usada pelo arquiteto não só em seu primeiro projeto premiado internacionalmente – a Escola Primária de Gando, aldeia africana, do jovem Burkina Faso, seu país de origem – como em vários outros assinados por ele.

O projeto de Kéré contempla materiais locais, tecnologia simples e artesanal como a taipa de pilão e mão de obra da região. O resgate dessa técnica, que vem sendo cada vez mais utilizada, abrange não só questões sustentáveis, como propostas estéticas que oferecem uma maior integração com a natureza, além de conforto térmico e outras propriedades.

Um exemplo do uso da taipa explorando toda a sua beleza está também no projeto assinado pelo arquiteto Cícero Ferraz, do escritório Brasil Arquitetura, para uma residência localizada em Monte Morte, cidade próxima a Campinas (SP). Nela, três muros de taipa de pilão feita com terras de diferentes colorações definem, organizam e estruturam a edificação.

Com diferentes alturas, os muros, em interseção, formam um pequeno pátio central triangular, pensado como o “coração” da construção. A inspiração vem da Casa com Três Pátios, de Mies Van der Rohe e é a partir desse espaço que se define a ocupação do lote, tanto conceitualmente, quanto fisicamente. Os espaços da vida diária são organizados em suas funções básicas: cozinha e serviços para um lado, estar e convivência para outro e, por fim, a área íntima com os quartos.

Assim, a utilização dos grossos muros de taipa, de 45cm de espessura, e a forma como estão posicionados são a chave e o fundamento do projeto do início ao fim, em todos os aspectos: arquitetônicos, construtivos, formais e espaciais.  A casa se espraia, com suas funções e ocupações e, ao mesmo tempo, converge para o pequeno pátio a céu aberto, cercado por terra e com uma pequena fonte em pedra-sabão ao centro, adquirida em um antiquário. “Queríamos um pátio andaluz, um local de retiro e contemplação, já que a moradora é da região de Andaluzia, onde é comum esse tipo de espaço, na Espanha”, comenta o arquiteto.

As diferentes tonalidades de cada muro/ parede foram obtidas sem que fosse necessário usar pigmentos artificiais. “Optamos pela taipa, mas a princípio não encontramos quem fizesse como idealizamos. Afinal, há infinitos tons de terra e nossa intenção é que cada segmento da casa privilegiasse uma cor. Por fim, conseguimos uma taipa bem amarela, outra marrom mais clássica e ainda uma mais rosada”, explica o arquiteto.

A empresa responsável pela qualidade da taipa e por investir    em pesquisas de cor para se chegar ao resultado que estivesse de acordo com o projeto foi a Taipal, empresa especializada em construção com terra, de Piracicaba (SP), que atua no segmento há mais de 15 anos.

A taipa amarela está na área de serviços, a rosada no setor social e a marrom, nos quartos. Vista de fora, a casa é discreta e parece menor do que os 350m2 de área que ocupa, contemplando ainda sauna e área de lazer.

Uma das regras do condomínio onde está inserida é que as edificações utilizem telhado. Para satisfazer essa imposição, a casa se ancora no s muros, que trespassam o telhado. Este, por sua vez está também sobre as demais paredes, em tijolo branco, que somem da paisagem.

O uso de materiais naturais também definiu o piso em Pedra Goiás, presente em todos os ambientes e o forro, feito em assoalho de madeira, como nas antigas fazendas. Detalhe ainda para os pilares da varanda, que descansam em cima de grandes pedras, inspirados em técnica japonesa presente nos projetos de Lina Bo Bardi. O resultado destaca a beleza natural da construção, que se vale de materiais exclusivamente brasileiros.

FOTOS DE MANUEL SÁ GENTILMENTE CEDIDAS PELA TAIPAL CONSTRUÇÕES EM TERRA

DESTAQUES

Ouça nossos podcasts para

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Juan Casemiro

Artista ganha exposição em BH com obras que transitam entre a arquitetura, poesia e o universo da classe operária brasileira

Dias de Sol

Pavilhão Praia, projeto dos arquitetos Caio Camargos, Ramon Duplá e Vinícius Fonseca pra CASACOR Minas 2022 é fluido e inteligente

Tem mágica no ar

Loja/galeria criada pela Alva Design e por Marina Tadeu no segundo andar do Palácio das Mangabeiras tem caráter mais cenográfico

Motorhome: a viagem

Projeto do escritório BCMF para CASACOR Minas 2022 apresenta uma proposta humanizada para quem ama levar a casa para viajar

plugins premium WordPress