Diébédo Francis Kéré

Este é o nome do arquiteto, educador e ativista social, vencedor do Prêmio Pritzker de Arquitetura, na edição 2022.

Insta: THE PRITZKER ARCHITECTURE PRIZEKÉRÉ ARCHICTETURE

“Francis Kéré é capaz de uma arquitetura pioneira – sustentável para a terra e seus habitantes. Ele é igualmente arquiteto e servidor, melhorando a vida e as experiências de inúmeros cidadãos em uma região do mundo que, por muitas vezes, é esquecida. Através de edifícios que demonstram beleza, modéstia, ousadia e invenção, e pela integridade de sua arquitetura e gesto, Kéré defende graciosamente a missão deste Prêmio”, confirmou o anúncio oficial na última terça, dia 15/03/2022

Nascido em Gando, Burkina Faso e radicado em Berlim, Alemanha, o arquiteto empodera e transforma comunidades através do processo de arquitetura. Por meio de seu compromisso com a justiça social e engajamento coletivo, bem como uso inteligente de materiais locais para conectar e responder ao clima natural, ele trabalha em países carregados de restrições e adversidades, onde arquitetura e infraestrutura estão ausentes.

Construindo instituições escolares contemporâneas, unidades de saúde, habitação profissional, edifícios cívicos e espaços públicos – muitas vezes em terrenos onde os recursos são frágeis e o companheirismo é vital -, a expressão de suas obras ultrapassa o valor de um edifício. A citação do Juri deste ano confirma sua ampla atuação:

“Ele sabe que a arquitetura não é sobre o objeto, mas o objetivo; não o produto, mas o processo. Todo o corpo de trabalho de Francis Kéré nos mostra o poder da materialidade enraizada no lugar. Seus edifícios, para (e com) as comunidades, são diretamente dessas comunidades – em sua construção, seus materiais, seus programas e seus personagens únicos. Em um mundo em crise, em meio a mudanças de valores e gerações, ele nos lembra o que foi e, sem dúvida, continuará a ser peça central da prática arquitetônica: um senso de comunidade e qualidade narrativa, que ele próprio é tão capaz de contar com compaixão e orgulho. Nisto ele fornece uma narrativa em que a arquitetura pode se tornar uma fonte de felicidade e alegria contínuas e duradouras”.

Os desenhos de Kéré estão repletos de simbolismo e seus trabalhos fora da África são influenciados por sua educação e experiências em Gando. Uma expressão poética de luz é igualmente consistente em todas as suas obras. Muitas delas estão localizadas na África, em países como a República do Benin, Burkino Faso, Mali, Togo, Quênia, Moçambique, Togo e Sudão. Pavilhões e instalações e foram criados na Dinamarca, Alemanha, Itália, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos. Obras significativas também incluem Xylem no Tippet Rise Art Center (2019, Montana, Estados Unidos), Léo Doctors’ Housing (2019, Léo, Burkina Faso), Lycée Schorge Secondary School (2016, Koudougou, Burkina Faso), o Parque Nacional do Mali (2010, Bamako, Mali) e Opera Village (Fase I, 2010, Laongo, Burkina Faso).

FOTOS: CORTESIA KÉRÉ ARCHITECTURE

DESTAQUES

Ouça nossos podcasts para

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Juan Casemiro

Artista ganha exposição em BH com obras que transitam entre a arquitetura, poesia e o universo da classe operária brasileira

Dias de Sol

Pavilhão Praia, projeto dos arquitetos Caio Camargos, Ramon Duplá e Vinícius Fonseca pra CASACOR Minas 2022 é fluido e inteligente

Tem mágica no ar

Loja/galeria criada pela Alva Design e por Marina Tadeu no segundo andar do Palácio das Mangabeiras tem caráter mais cenográfico

Motorhome: a viagem

Projeto do escritório BCMF para CASACOR Minas 2022 apresenta uma proposta humanizada para quem ama levar a casa para viajar

plugins premium WordPress