Uma história contada em azul

Projeto premiado da arquiteta Jô Vasconcellos, Museu da Cachaça permite que uma nova paisagem prolongue a tradição de um lugar

Insta: Jô VasconcellosMuseu da Cachaça de Salinas

Salinas, cidade de clima quente do norte de Minas, é considerada uma das maiores fabricantes de cachaça artesanal do Brasil. Não por acaso, é nela que se situa o Museu da Cachaça, projeto da arquiteta Jô Vasconcellos, inaugurado em 2012, detentor de inúmeros prêmios de arquitetura. Hoje, o azul escolhido pela profissional já não é mais o mesmo. Na transição da administração pública, o local já esteve fechado e já foram propostos outros usos. Mas a edificação permanece, atualmente em funcionamento. Seu projeto é um elogio à cidade e à arquitetura, por isso, a importância de divulgar os detalhes dessa construção, da proposta museológica e de todo o carinho e competência que estiveram presentes desde seu alicerce.

Conformado como uma longa fila de caixas azuis de diferentes dimensões, o Museu da Cachaça tem layout alongado que responde à forma do local, uma faixa de terra entre duas estradas. Longas fachadas de ambos os lados apresentam superfícies fechadas para a vizinhança circundante. Já na fachada leste, seções incorporam uma rede de blocos de concreto que interrompe a alvenaria homogênea, permitindo que a luz natural e as brisas permeiem as áreas de circulação no interior.

Com o propósito de minimizar a difusão do calor, as paredes são espessas e as lajes duplas, propiciando um colchão de ar, por onde também passam as demandas técnicas necessárias ao pleno funcionamento do museu. A zona multifuncional é articulada por uma circulação contínua e sombreada, que é uma área de transição entre o exterior e o interior tão necessária às regiões de clima quente. Esta possui dimensões variadas e cria um expressivo efeito de luz e sombra, através da proteção de cobogós de concreto, deixando esta área semitransparente e com bastante ventilação. Esta trama dá uma continuidade aos sólidos das áreas expositivas, como se os sólidos se fragmentassem até alcançar a área externa / praça sombreada por pérgulas. Nestes espaços a diferença entre o exterior e o interior permanece ligeiramente difusa.

Após estes espaços semiabertos, encontram-se as áreas de estar, praça, lazer, pátios, terraços, anfiteatros protegidos por pérgulas, que se alternam com áreas abertas e outras que possuem planos de madeira que podem oferecer mais privacidade e sombra conforme os usos, tais como, aulas, oficinas, etc.

São áreas de múltiplo uso, que deixam fluir o vento e o espaço arquitetônico sem uma rígida delimitação entre o terreno e a construção. A ideia é que todo o conjunto se transforme num oásis de luz, sombra, acolhimento, encontro, conhecimento e fruição.

A vocação ecológica do edifício se percebe no sistema construtivo. A rigorosa limitação dos materiais é apropriada para os espaços expositivos e sua identificação com a paisagem local. A construção se apropria do agigantamento da escala através da apropriação total do terreno longilíneo. O paisagismo  foi pensado para complementar a ideia através do plantio de espécies locais de grande porte, que permitem sombras desejáveis.

“Linhas retas, superfícies planas e blocos sólidos foram usados ​​como elementos significativos e definidores da nova paisagem”, comenta a arquiteta. “O espaço é recriado e a percepção é alterada pela busca de espaços de transição, escalas diferentes, áreas abertas, lacunas e volumes.”

A entrada principal está situada em uma extremidade do prédio, abrigada sob uma pérgula feita de vigas de aço e postes redondos de madeira. No interior, uma área de recepção com paredes cobertas de imagens da cana-de-açúcar, matéria-prima da qual a cachaça, é feita, marca o início da rota por meio de salas dedicadas à história do espírito e produção da cachaça, sua distribuição e consumo.

Um dos ambientes exibe uma variedade de garrafas de cachaça dispostas em prateleiras de vidro contra paredes espelhadas, com um teto espelhado dando a impressão de que o espaço continua além de sua altura real. Outra entrada é marcada por um pátio em uma das fachadas longas. Ele fornece acesso direto a um restaurante e a um corredor ladeado pela parede curva de blocos de treliças que leva às áreas de loja e administração.


Fotos: Júnia Mortimer

DESTAQUES

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Atração e repulsa

Ruídos, exposição da artista Berna Reale, em cartaz no CCBB BH, apresenta um recorte da extensa produção da artista paraense

Muito além dos muros do museu

Série audiovisual Caminhadas, lançada recentemente pela Oficina Francisco Brennand é um convite para uma jornada pela de redescobertas e inspiração

Cheio de graça

Reforma de um apartamento no centro de Belo Horizonte apresenta soluções que conferem uma digital única a todos os ambientes

De bem com a vida

Projeto paisagístico de Flavia D’urso em propriedade no sul da Bahia respeita a natureza e cria um paraíso muito particular.

plugins premium WordPress