Prêmio Pritzker 2023

Para o vencedor, David Alan Chipperfield, a arquitetura deve tornar o comum em especial e não o especial em tudo.

Insta: PRITZKER ARCHITECTURE PRIZEDAVID CHIPPERFIELD

O britânico David Chipperfield é o vencedor do Prêmio Pritzker 2023, considerado a maior honraria da arquitetura. Arquiteto, urbanista e ativista de 69 anos, ele foi reconhecido por seu “design moderno e atemporal que enfrenta emergências climáticas, transforma relações sociais e revitaliza cidades”, segundo comunicado da Fundação Hyatt, que patrocina anualmente o prêmio.

Sir David Alan Chipperfield nasceu em Londres em 1953 e cresceu em uma fazenda rural em Devon, sudoeste da Inglaterra. A admiração trazida a ele pelo grande número de celeiros e várias casas de fazenda encheu suas memórias de infância, e sua impressão física inicial e forte da arquitetura foi formada a partir disso.

“Acho que a boa arquitetura fornece um contexto, está lá, mas não está. A arquitetura pode reforçar nossos rituais e rotinas diárias , apoio e ajuda, e minha experiência de vida favorita e mais agradável é tornar o comum especial, em vez de tornar o especial em tudo.”

Chipperfield formou-se na Kingston School of Art em 1976 e na Architectural Association em Londres em 1980, onde aprendeu a ser um arquiteto de pensamento crítico, aprendendo a reimaginar o potencial de cada elemento para que o significado de cada projeto vá além da própria tarefa de construção.

“Design não é construir blocos de cores e formas, mas desenvolver uma série de questões e ideias com rigor e consequências. Se você pode fazer isso, não importa o caminho que você escolher, desde que continue.” Vá em frente e obtenha resultados ao longo do caminho.”

Ele trabalhou para o mestre arquiteto Douglas Stephen, para o vencedor do Prêmio Pritzker de 1999, Norman Foster, e para o vencedor do Prêmio Pritzker de 2007, Richard Rogers. Fundou David Chipperfield Architects em Londres em 1985, seguido por Berlim (1998), Xangai (2005), Milão (2006) e Santiago de Compostela (2022) fora do escritório.

Sua carreira começou na Sloane Street em Londres, projetando interiores para as lojas Issey Miyake, trabalhando mais tarde, em arquitetura, no Japão. 

O Museum of Rivers and Rowing (Henry upon Thames, Reino Unido, 1989–1997) foi seu primeiro projeto arquitetônico em sua cidade natal. Desde então, Chipperfield continuou a praticar no exterior, com sucessos iniciais incluindo a reconstrução do Neues Museum (Berlim, Alemanha, 1993-2009) e da James Simon Gallery (Berlim, Alemanha, 1999-2018). Para ele, seu elevado senso de responsabilidade se deve à construção de estruturas para culturas locais, seja onde elas estiverem.

“Na verdade, uma boa arquitetura vem de um bom processo, e um bom processo significa que você deve contatar e cooperar com múltiplas forças.” Esse senso de colaboração sempre norteou seu trabalho. Durante quarenta anos, o arquiteto criou Mais de 100 diversas obras, abrangendo as áreas da arquitetura municipal, cultural e acadêmica, bem como diversos planos diretores, residenciais e urbanos, em toda a Ásia, Europa e América do Norte.

À medida que sua prática arquitetônica enriqueceu, cresceu também sua defesa do bem-estar social e ambiental. Chipperfield denuncia a mercantilização de edifícios que não servem às sociedades locais, mas aos predadores econômicos globais. “Os arquitetos não podem ficar de fora, eles precisam estar com a sociedade. Sim, podemos desafiar e reclamar, e podemos encontrar algo para imitar. Mas primeiro precisamos de uma estrutura de planejamento que tenha ambição e prioridades. Essencialmente, agora temos que esperar que a crise ambiental nos leve a repensar nossas prioridades sociais – que a busca pelo lucro não seja o único motivador de nossas decisões”.

Chipperfield recebeu a Medalha de Ouro do Royal Institute of British Architects (Reino Unido, 2011), o European Union Prize for Contemporary Architecture – Mies van der Rohe Award (Espanha, 2011) e o Heinrich Tesenauer Prize (Alemanha, 1999) e outros prêmios . Ele foi selecionado como membro da Royal Academy of Fine Arts (2008), foi premiado com a Ordem do Mérito da República Federal da Alemanha (2009) e recebeu o prêmio Japanese Royal World Culture (Architecture) pela Japan Art Association (2013) É membro do Royal Institute of British Architects, é também membro honorário do American Institute of Architects e do German Institute of Architects.

Em 2012, Chipperfield presidiu e foi curador da 13ª Bienal de Arquitetura de Veneza com o tema “Common Ground”; de 2016 a 2017, foi selecionado como mentor de arquitetura para o Programa de Financiamento de Recomendação de Criatividade Rolex; e em 2020 atuou como editor convidado -chefe da Domus; foi professor do Departamento de Arquitetura da Academia Estadual de Belas Artes de Stuttgart de 1995 a 2001; em 2011, atuou como professor visitante “Norman R. Foster” de projeto arquitetônico na Universidade de Yale. Ele foi nomeado Comandante do Império Britânico (CBE) em 2004, cavaleiro em 2010 e fez uma Ordem Honorária.

Com informações do site pritzkerprize.com

FOTO DE CAPA – Sir David Chipperfield. Foto: Tom Welsh.

DESTAQUES

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Mistura Fina

Projeto do escritório Casa Tereze para apartamento em São Conrado, no Rio, une a bossa carioca com a alma mineira

Arte entre muitas camadas

Ana Claudia Almeida impacta tanto com a solidez quanto fluidez de seus trabalhos, sucesso em galerias brasileiras e no exterior

Presente imperativo

A demanda de construir uma casa em tempo mínimo não impediu ao escritório Bloco Arquitetos, de Brasília, de superar expectativas

plugins premium WordPress