Óbvio, só que não

Moedor de Pimenta da Peugeot, o mais copiado no mundo, é uma das melhores traduções do que é design perfeito

Onde encontrar

Ainda criança, quando meu pai levava a família para almoçar no restaurante predileto dele, aos domingos, eu adorava chamar o garçon, que vinha com aquele moedor enorme de madeira e pulverizava as sementes moídas de pimenta do reino sobre a comida.

Naquela época, pelo menos aqui no Brasil, o moedor de mesa não era tão disseminado como hoje. Foi só de uns tempos para cá que esse pequeno ícone da história do design se popularizou e passou a ser tão óbvio que a gente nem dá a devida atenção a ele, embora os amantes da boa mesa amem a sua função, que preserva até o último momento, o sabor e o aroma da pimenta.

O que talvez muita gente não saiba é que o modelo mais popular e copiado desse moedor, batizado de Paris, foi desenvolvido e patenteado pela Peugeot, antes mesmo que fosse criado o primeiro automóvel da marca francesa. Uma história que teve seu começo em 1810, quando os irmãosJean-Pierre e Jean-Frederic Peugeot decidiram converter o moinho de farinha da família para um sistema com peças de aço.

Com o know-how adquirido, eles passam a fabricar ferramentas como serrotes, relógios, máquinas de costura, e até espartilhos. Em 1840 eles chegaram ao primeiro moedor de café e, anos mais tarde, ao moedor de pimenta, essa peça que o Tendências ama. Repare no design que ela tem: uma forma atemporal, quase barroca, desde o princípio sinônimo de sofisticação, elegância e tradição, que aliás se mantém até os dias de hoje, mesmo com materiais e acabamentos modernos, como corpo de aço inox.

A aparência simples e tradicional esconde a inovação técnica da peça, em um intricado sistema que consiste em quebrar os grãos de pimenta na metade antes de moer, o ajuste de moagem no topo, além das duas fileiras de moedores tão bem feitas que seu tempo de vida é quase infinito (tanto é que a Peugeot dá garantia vitalícia ao produto).

Há hoje incontáveis versões de pimenteiros criados no mundo todo, com luzinhas, motores elétricos e acabamentos malucos, mas é o desempenho impecável do moedor da Peugeot original que agrada a tantos chefs profissionais, e está presente na cozinha de muitas pessoas. Prova que o mecanismo patenteado do moinho, quase 200 anos praticamente inalterado, pode ser considerado um design perfeito.

PROGRAMA DO DIA

Ouça nossos podcasts para

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Ideias vivas

Projeto de Gustavo Penna, atualmente o endereço da 31 Mobiliário, mostra que arquitetura não é dentro, nem fora. É através

Parece um sonho

Um mini Inhotim particular, o jardim, assinado por Luiz Carlos e André Orsini, encanta e se harmoniza com as encostas florestadas

El Mai

Culinária contemporânea e comida japonesa: o alto padrão da cozinha está também na arquitetura de interiores assinada por Isabela Vecci

Arte que arde

Também na exposição em cartaz no BDMG Cultural, Desali e Affonso Uchôa contagiam a arte com a energia da periferia