O ar que ela respira

Com exclusividade, mecenas e colecionadora brasileira Sandra Hegedüs abre apartamento de Paris, onde mora, com a generosidade que sente pela vida e pela arte

Insta: Sandra Hegedüs

Raramente faço retratos. Mas o convite de fazer esse ensaio na Casa de Sandra Hegedüs me pareceu inspirador. Já tinha encontrado com a Sandra algumas vezes em exposições e eventos, nas esquinas onde a arte contemporânea cruza a fotografia. E uma vira outra.  Mas a casa eu não conhecia. Sandra mora ao lado do Observatório de Paris. Esse vizinho de muro é uma maravilha, faz a gente imediatamente pensar no universo e em estrelas.  Então cheguei animada e na hora marcada.

Já na entrada, passando à porta, logo à direita, uma peça de Bianca Bondi atrai o meu olhar e energias positivas.   Depois direto pra cozinha, onde também tem muitas obras lindas. Como toda boa casa, é ali que tudo se passa. Uma luz rebatida entra pela janela e ilumina a « Harmonia » da artista Ana Elisa Egreja. O quadro vermelho me fez lembrar as laterais das escadarias da Lapa. Fundo perfeito pra começar nosso ensaio fotográfico. O primeiro clique é uma homenagem à Man Ray, que adoro. Acho que Man Ray aprovaria e adoraria ser convidado para um jantar ali mesmo, na cozinha, se ele fosse nosso contemporâneo. Vejo um espelho sobre a pia : I will be your mirror.  O artista é Pierre Ardouvin.  E a gente vai direto pra música do The Velvet Underground & Nico, direto pra 1967. A letra é maravilhosa …. E tem tudo haver com o clima rock and roll da Sandra.  Essa vegana convicta em ótima forma e bom humor encara a câmera facilmente, sempre com generosidade.  Na sala, a luva de box sobre as belas cadeiras de rattan e os alteres nos lembram que é preciso estar em boa forma para percorrer galerias e salões de arte e executar tantos projetos. Como vocês sabem bem, Sandra não pára.

Sem querer, o ato de fotografar vira performance, pois deito-me no chão para registrar uma intervenção in loco, feita à luz de velas por Mircea Cantor no teto da sala de jantar.  Aqui onde tudo é parede . É preciso olhar pra cima, olhar para o chão.  E a cada vez que o meu olhar busca um novo enquadramento descubro algo que não tinha visto antes, uma nova obra. Ainda pelo teto, vejo uma pequena multidão, em fila, rosa e azul, pequenas criaturas, lembro de Tatsuya Tanaka. Olho de perto, o mais perto que olho pode chegar de um teto. E essa? Pergunto. Sandra me diz que o artista representou o número de homens e mulheres mortos por dia no mundo. Arte é isso. Um claque!

Curadora do seu próprio espaço, da sua própria vida e, do seu lugar no mundo percebo em Sandra a liberdade exercida, liberdade para traçar um caminho comprometido com o seu tempo, com o outro e com seus próprios desejos. Percebo um diálogo entre os objetos como se cada artista ali tornassem vivos os pensamentos da Dona da casa.   Exemplos?  Rodolfo Lamunier: florecer na pedra, Vanderlei Lopes: tudo que reluz é ouro ou a capacidade da arte de iluminar pequenas coisas para torná-las preciosas.  A arte das palavras. “Estrangeiro em todos os lugares.” ;  “Eu amo tudo.”; “A vida é difícil para quem é de outro planeta.”

Sabe quando a gente olha a estante e pelos livros tenta decifrar quem os lê?  Sempre fica o mistério.  Fica também uma certeza que podemos mudar sempre. Adoro isso. O espaço é vivo, se transforma constantemente para reproduzir a maravilhosa sensação de perplexidade que sentimos ao ver uma obra de arte pela primeira vez…

Sentido é tudo. Verbo sentir.  Nesta casa tudo é sentido e nada é por acaso. Existe  “poesia”  e poesia no fundo é uma palavra  de origem grega que significa “criação”.

* Glaucia Nogueira é mineira. Redatora, diretora de criação e diretora de filmes. Hoje se dedica a fotografia. Criou a plataforma IANDÉ para valorizar a fotografia brasileira na França. Mora em Paris desde 2007.

Fotos: Gláucia Nogueira
Assistência de produção: Ioana Mello


DESTAQUES

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Atração e repulsa

Ruídos, exposição da artista Berna Reale, em cartaz no CCBB BH, apresenta um recorte da extensa produção da artista paraense

Muito além dos muros do museu

Série audiovisual Caminhadas, lançada recentemente pela Oficina Francisco Brennand é um convite para uma jornada pela de redescobertas e inspiração

Cheio de graça

Reforma de um apartamento no centro de Belo Horizonte apresenta soluções que conferem uma digital única a todos os ambientes

De bem com a vida

Projeto paisagístico de Flavia D’urso em propriedade no sul da Bahia respeita a natureza e cria um paraíso muito particular.

plugins premium WordPress