Lina e o futuro

Livro sobre produção de design de mobiliário de Lina Bo Bardi mostra a genialidade e sensibilidade de uma mulher multifacetada

Insta: SÉRGIO CAMPOSPÉ PALITO VINTAGEARTEMOBILIA

Lina Bo Bardi. Arquiteta, designer, editora, curadora, cenógrafa, entre outras tantas atividades, mostrou desde pequena seu talento para as artes. O pai engenheiro e pintor ensinou-lhe o desenho e ela com ele que praticava, pintando a guache e aquarela desde os 10 anos de idade.

A arte e a inovação estão presentes em tudo o que fez. E, entre o que Lina criou, o pioneirismo conceitual da rica produção de design do mobiliário modernista assinado por essa mulher multifacetada está reunido na obra literária “Lina Bo Bardi Designer, O Mobiliário dos Tempos Pioneiros 1947/ 1958, do curador e galerista Sérgio Campos. O livro será lançado hoje, na Galeria Pé Palito Vintage.

A cadeira do MASP 7 de Abril, assinada por ela, por exemplo, influenciou decididamente a primeira geração de designers modernos, como Sergio Rodrigues, que tanto a admirava. Uma cadeira que já traz elementos da nossa cultura popular, como o assento em couro de sola selvagem costurada com barbante, a moda das vestimentas dos povos do sertão, além de ser dobrável e empilhável, como as populares cadeiras dos circos itinerantes.  

Muito além de seu tempo, ela criou móveis que diferiam de tudo que já havia sido produzido no Brasil e no mundo e eram encomendados por clientes e arquitetos visionários, como Vilanova Artigas, Rino Levi e Gregori Warchavchik.

Em plena era atômica, Lina Bo Bardi utilizou materiais vernaculares e totalmente inusitados na concepção de muitos dos seus móveis, como sola de couro selvagem, cordas náuticas, conduítes elétricos, cunhas de carro de boi, compensado de pinho, entre vários outros.  O livro procura mostrar como esta leitura e atitude reverberou profundamente entre os designers contemporâneos, como os geniais Irmãos Campana.

O livro também aborda a editoria de Lina na revista Habitat, referência fundamental entre as publicações ligadas à cultura e arquitetura no século XX no Brasil, espaço em que assume o compromisso com temas que a acompanharão em toda sua trajetória profissional, em seu país de escolha.

Um capítulo é dedicado à lendária Casa Bittencourt, em São Paulo, residência da família de Mario Taques Bittencourt, que a encomendou ao arquiteto Vilanova Artigas e que, por sua indicação, foi mobiliada com peças autorais do Estúdio Palma, em 1950. Trata-se de um projeto único que teve a felicidade em reunir o que se tinha de mais vanguardista na arquitetura e no design modernos. Após 70 anos, o mobiliário original foi encontrado, restaurado e reinserido na casa para um inédito ensaio fotográfico por Sergio Campos, o autor. 

O ineditismo é uma das marcas registradas da obra literária que oferece generosa documentação nunca publicada, boa parte proveniente dos arquivos do Instituto Bardi/Casa de Vidro, do qual o livro conta com o apoio institucional.

O segundo volume do livro, a ser lançado, tratará do mobiliário que Lina Bo Bardi criou para sua Casa de Vidro, em 1951, a internacionalmente famosa Bowl Chair, também chamada por Lina como “Tijela”, bem como os móveis que desenvolveu no período em que viveu na Bahia e aqueles especialmente desenhados para o Sesc Pompeia. 

FOTO DE CAPA – Cadeira de corda, 1948. Foto: Sergio Campos

FOTOS GENTILMENTE CEDIDAS PELA EDITORIA DO LIVRO

DESTAQUES

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Mistura Fina

Projeto do escritório Casa Tereze para apartamento em São Conrado, no Rio, une a bossa carioca com a alma mineira

Arte entre muitas camadas

Ana Claudia Almeida impacta tanto com a solidez quanto fluidez de seus trabalhos, sucesso em galerias brasileiras e no exterior

Presente imperativo

A demanda de construir uma casa em tempo mínimo não impediu ao escritório Bloco Arquitetos, de Brasília, de superar expectativas

plugins premium WordPress