Entre o fantástico e o real

Pernambucano Hildebrando de Castro utiliza o enquadramento e a luz da fotografia como referências para o desenvolvimento de suas pinturas

Insta: HILDEBRANDO DE CASTROZIPPER GALERIA

Hildebrando de Castro é um repórter da visualidade, um atento observador das formas e cores do mundo.  A sua capacidade técnica inegável está sempre a serviço de uma precisa e contundente análise sobre a vida e seus paradoxos, sobre os limites delicados entre o fantástico e o real. Quem disse isso foi Marcus de Lontra Costa e, ao observar o trabalho do artista é impossível não recorrer às suas palavras.

Hildebrando nasceu em Olinda, em 1957. Como toda criança, desenhava, rabiscava em bloco, em qualquer papel.  Autodidata, trabalhou primeiro como artista gráfico e depois foi alcançando níveis de excelência em cada técnica utilizada: da pintura em pastel à pintura a óleo ou qualquer outra de sua vontade.

Segundo Maurício Duarte, o artista pinta o que o interessa e quando vê o tema esgotado, passa para outro assunto.  Sua obra é essencialmente narrativa, mas as histórias que conta não são do domínio da realidade, são antes, um mundo paralelo que Hildebrando enxerga colado ao real.

Até sua primeira visita à Brasília, a arquitetura não havia sido escolhida como foco de seu trabalho. Nessa viagem, ficou impressionado com tudo o que via pela frente, mas o que realmente chamou sua atenção foi o Anexo da Câmara dos Deputados. “Era tudo ocre e havia uma luz incrível que parece só existir em Brasília”, comentou em uma entrevista.


Ali, Hildebrando ficou por horas, fotografando apenas aquele prédio e só depois, em uma nova viagem ao planalto central, mirou sua objetiva para outras edificações. Ele conta que o trabalho ficou engavetado por dois anos, até que ele compreendesse de que ele iria ganhar corpo através da pintura.

No começo, era uma discussão sobre a construção geométrica, depois, passou a ser uma representação figurativa onde o destaque maior era dado à arquitetura. Há um jogo ótico em que as sombras parecem reais, mas são pinturas. Essa série foi batizada de Arquitetura da Luz, e aborda os jogos de luz e sombra criados nos brise-solei dos prédios da capital do Brasil. A beleza das imagens resulta em peças de arte quase concretistas que desafiam o olhar.

O enquadramento e a luz da fotografia são referências para o desenvolvimento de boa parte das pinturas do artista. Nos anos 2000, ele pintou retratos de rostos difusos, paisagens indefinidas e brinquedos sempre um tanto mórbidos. Já a partir de 2010, desenvolveu a série Janelas, representações nítidas e geométricas feitas a partir de fotografias de fachadas de prédios repletas de janelas. As pinturas, em acrílica sobre tela, expõem outra vez a o virtuosismo de Hildebrando, que então estabelece vínculos com o construtivismo e suas vertentes.

Como resume Maurício Duarte, a sensação de que estamos todos sozinhos, de inquietação e do silêncio vazio está presente na obra de Hildebrando e o artista reflete nosso tempo de um modo que só um criador de arte magnífico e genial poderia fazê-lo.

Entre suas mais importantes exposições, estão individuais no Paço das Artes em São Paulo, em 2009, no Paço Imperial, em 1998, e no Centro Cultural Banco do Brasil, em 1995 (ambos no Rio de Janeiro). Participou de mostras coletivas no Museu de Arte Moderna (de São Paulo e do Rio), no Haus Der Kulturen Der Welt (Alemanha), no Nuremberg Museum (Alemanha), entre outras. O artista vive e trabalha em São Paulo.

FOTOS GENTILMENTE CEDIDAS PELA ZIPPER GALERIA

DESTAQUES

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Mistura Fina

Projeto do escritório Casa Tereze para apartamento em São Conrado, no Rio, une a bossa carioca com a alma mineira

Arte entre muitas camadas

Ana Claudia Almeida impacta tanto com a solidez quanto fluidez de seus trabalhos, sucesso em galerias brasileiras e no exterior

Presente imperativo

A demanda de construir uma casa em tempo mínimo não impediu ao escritório Bloco Arquitetos, de Brasília, de superar expectativas

plugins premium WordPress