Convívio

Arquitetura e arte se entrelaçam no projeto de Fernando Maculan e Mariza Machado Coelho para residência com porte de galeria

Insta: MACh

A sensação é de morar dentro de uma galeria, dado o rico acervo que pontua cada espaço de forma primorosa. Os detalhes da arquitetura, entretanto, acrescentam uma outra arte, a de bem viver, em uma construção que navega entre o abstrato e o escultórico, fazendo jus as obras expostas, que ganharam ambientes específicos para cada uma delas.

O projeto assinado por Fernando Maculan e Mariza Machado Coelho, do escritório MACh arquitetos eleva a arquitetura para que ela caminhe lado a lado com as telas e esculturas, gerando espaços com diferentes gradações de aberturas e fechamentos em relação à paisagem e assim promovendo, ao mesmo tempo, diferentes percepções da natureza do entorno e dos limites da cidade de Belo Horizonte a partir da casa. 

Um retângulo e um triângulo, dois elementos básicos, organizam a composição arquitetônica. O bloco retangular longitudinal, paralelo à via de acesso, foi assentado ao longo das curvas de nível do terreno, e o volume triangular é elevado do solo por uma sucessão de delgados pilares metálicos, criando uma narrativa poética à construção.

O primeiro abriga funções da casa ligadas ao encontro e ao lazer, com sala de ginástica, sauna e spa, no nível inferior; e salas de estar e jantar, no nível térreo. Acima, no bloco triangular, estão os quartos e a sala de TV, além de dois terraços. Um deles, próximo à sala de TV, é mais aberto e voltado para a cidade de Belo Horizonte e o outro, próximo aos quartos, é mais intimista e com uma orientação cuidadosa para a paisagem de montanhas. Neste terraço há um vazio circular que permite a conexão visual e a entrada de luz natural para o pavimento inferior. 

O acesso de pedestres acontece por um caminho sinuoso de pedra, que leva moradores e visitantes ao nível térreo, onde estão concentrados os ambientes sociais e a piscina. A rampa de acesso de veículos permite a chegada ao terceiro nível, na garagem, que por sua vez articula a área íntima e de serviços.  

A setorização dada aos espaços de lazer, convívio social, serviços e espaços íntimos é feita com atenção à orientação solar e à implantação em diferentes níveis, proporcionando o melhor funcionamento da casa sem cruzamentos indesejados e perda de privacidade.

Os quartos são voltados para o leste e contam com área externa privativa, como extensão do ambiente interno. O setor de serviços e quartos de funcionários é voltado a um pátio interno, que garante farta luminosidade e ventilação naturais. Os espaços de convívio e lazer são caracterizados pela transparência dos seus limites e pela expansão dos ambientes rumo à paisagem. 

FOTOS GENTILMENTE CEDIDAS PELA MACh

DESTAQUES

Ouça nossos podcasts para

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Inspiração cenográfica

Projeto conjuga tijolo aparente, madeira ripada e régua de concreto, sintonizando ainda a volumetria e iluminação aos materiais com perfeição

Entre o Céu e a Terra

Em exposição em Nova York, trabalhos inéditos do artista brasileiro Ernesto Neto envolvem cores, texturas, sons, fragrâncias e materiais naturais

Architizer A+Awards

Premiação internacional que celebra o melhor da arquitetura tem três mineiros como finalistas, cada um em uma categoria diferente

Infinitas cortinas

Trabalhos do artista Manuel Carvalho merecem ser observados com calma e tempo, para que o mergulho entre camadas seja revelador