Aula de história

Projeto de João Uchôa e Norah Fernandes no Palácio das Mangabeiras é uma aula de história sobre o design brasileiro.

Insta: João UchôaNorah FernandesGabinete de CuriosidadesCasacor Minas

A sala de estar, projeto dos arquitetos João Uchôa e Norah Fernandes nesta edição da CASACOR Minas é pensada para isso mesmo, para parar e ficar. Para deixar que o tempo corra lá fora, mas ande em outro ritmo aqui dentro. O mobiliário já traduz essa intenção. Quase todas as peças têm mais de 70 anos e é original. São bens duráveis, preciosidades que contam um pouco da história do design brasileiro.

E mesmo com a idade avançada dos móveis, o ambiente, que passou por minucioso restauro, tem cara de novinho em folha. O pinho de riga foi revitalizado e até mesmo o teto foi pensado para se assemelhar ao que era usado nos anos 1950, época da construção do Palácio.

A sala foi pensada para uma casa contemporânea, embora não perca o elo com a década da construção do palácio. Como a lareira original não faz mais parte do acervo, ela foi substituída por outra, inspirada em uma feita por Sérgio Bernardes em 1954, para uma casa no Rio de Janeiro. A base é em pedra sabão e serve também como mesa de centro.

Em uma das paredes, o biombo de fundo preto pintado por Emeric Marcier, em 1959, pertenceu à família Bias Fortes, em Barbacena. Ao lado dele, uma simbólica escultura contemporânea de João Castilho com vários retrovisores de carro, serve para lembrar que, embora a vida seja para ser seguida adiante é preciso ficar atento ao que ficou para trás.

Próxima a essas peças, está talvez a mesa mais importante do ambiente: uma mesa bar original, desenhada por Joaquim Tenreiro para um apartamento no Rio de Janeiro em 1967. Já o sofá tem desenho dos arquitetos, com muitas almofadas soltas, acompanhado de mesinhas laterais art déco dos anos 30. Duas poltronas na cor mostarda, de Sérgio Rodrigues e duas prateleiras também do mestre, em jacarandá, fazem parte do percurso, bem como outra poltrona original, do acervo da família de Ricardo Fasanello, clássicos que se cumprimentam, bem como o par de mesinhas dos anos 1950.

Entre as obras de arte, a marinha em tons terrosos de Mariannita Luzzati e o conjunto de desenhos emoldurados de Nuno Ramos. A mesa de jantar em jacarandá, de Sérgio Rodrigues, também faz parte desse acervo de preciosidades, com duas cadeiras de Michel Arnauld, dos anos 1970, a cadeira anel, de Ricardo Fasanelo e duas poltronas curvas estofadas de seda feita à mão, de Joaquim Tenreiro.

Do lado de fora, um pátio lembra quintal de casa com duas pitangueiras, muro pintado a mão com argamassa de terra em uma mistura de vários minérios e, por isso, com uma gama de tonalidades, uma mesa Saarinen original, duas cadeiras em fibrocimento de Willy Guhl e ainda uma escultura de Frans Weissmann, que repousa no chão de lajes irregulares de pedra sabão.

FOTOSJomar Bragança

DESTAQUES

Ouça nossos podcasts para

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Juan Casemiro

Artista ganha exposição em BH com obras que transitam entre a arquitetura, poesia e o universo da classe operária brasileira

Dias de Sol

Pavilhão Praia, projeto dos arquitetos Caio Camargos, Ramon Duplá e Vinícius Fonseca pra CASACOR Minas 2022 é fluido e inteligente

Tem mágica no ar

Loja/galeria criada pela Alva Design e por Marina Tadeu no segundo andar do Palácio das Mangabeiras tem caráter mais cenográfico

Motorhome: a viagem

Projeto do escritório BCMF para CASACOR Minas 2022 apresenta uma proposta humanizada para quem ama levar a casa para viajar

plugins premium WordPress