Arquitetura para a vida

Muito mais do que tendência, a bioarquitetura propõe uma reconexão urgente com o que é natural, simples, fluido e humano.

Insta: BioarquitetarArquitetura na PeriferiaMulheres Bioconstrutoras

Empreendimentos desenvolvidos com a preocupação de reduzir o impacto ambiental e poupar recursos naturais são cada vez mais valorizados. Esse movimento é global, se firmou como tendência, mas que é muito mais do que isso. Por conta dele, o vocabulário dos profissionais da arquitetura e da construção ganhou uma série de novas palavras como selos verdes, greenbuilding, permacultura e também a bioarquitetura.

Bioarquitetura é a aplicação de um conceito bem elementar na concepção e na construção de edificações, com o objetivo de preservação ambiental e respeito à vida no planeta em seus diversos ecossistemas. Ela envolve as construções ecológicas, as construções sustentáveis e as bioclimáticas (adaptadas ao clima). Envolve também as que são erguidas com base na sabedoria milenar dos povos orientais e ocidentais.

Projeto em parceria com @amerindia na execução das paredes de hiperadobe. Filmagem de drone de @glauberroqueo.

Ao criar uma edificação tendo como base a bioarquitetura, o arquiteto passa a considerar todo o ciclo de vida útil e a cadeia produtiva dos materiais e, na especificação de tecnologias, técnicas construtivas e materiais, não fica restrito a aspectos técnicos e estéticos. As prioridades em um projeto desse tipo são outras, como o aproveitamento passivo dos recursos naturais (luz solar, ventilação e microclimas) e a obtenção da eficiência energética do edifício.

Com relação ao design, de modo geral, a bioarquitetura privilegia o uso de formas orgânicas e naturais. São construções que se assemelham e, em muitos casos, se misturam aos ambientes naturais onde estão inseridas. E, se há dúvida quanto a viabilidade de utilizar os princípios da bioarquitetura, é importante destacar que eles podem ser usados em projetos de diferentes tipologias e dimensões.

Esse tipo de construção privilegia matérias-primas como terra, pedra, areia, argila, fibras naturais, bambu, pau a pique, adobe (terra crua) e cimento queimado, bem como dá preferência ao uso de materiais, soluções e fornecedores instalados próximos do local da obra. A proposta é reduzir a poluição gerada nos processos de transformação da matéria-prima e a emissão de gases no transporte até a obra. Buscar o equilíbrio entre as tecnologias contemporâneas disponíveis e a arquitetura vernacular, que aproveita os materiais naturais e a cultura local também faz parte do arsenal da Bioarquitetura.

As diretrizes que orientam o projeto e a construção de edificações sob a óptica da bioarquitetura passam pela eficiência e redução de desperdícios na construção, pouca movimentação de terra, análise do ciclo de vida dos materiais, com preferência às matérias-primas renováveis, retornáveis, recicláveis e reutilizáveis. A escolha de materiais ambientalmente certificados, o aproveitamento de luz e ventilação naturais e o aproveitamento da arquitetura vernacular sempre que possível também estão entre essas diretrizes.

“Quando falamos de bioarquitetura e bioconstrução, estamos falando de construção e arquitetura para Vida. Que promovem a vida e que são vivas, com seus elementos naturais orgânicos, cíclicos, estáveis e duradouros. O que realmente estamos buscando é a nossa essência e a nossa conexão com este mundo e a natureza da qual fazemos parte”, comenta Paula Peret, arquiteta pela UFMG e mestre em arquitetura habitação de interesse social e sustentabilidade pela UFRJ. Paula vive com sua família em um sítio na zona rural da região da Serra do Cipó e, há 15 anos dedica-se à pesquisa e desenvolvimento de projetos e obras focados na construção com materiais naturais. A partir das diretrizes da agroecologia e permacultura desenvolve, junto com sua equipe, planejamentos de ocupações rurais.

“É urgente nossa necessidade de nos reconectar com o que é natural, simples, fluido e humano que transborda para a superfície, para a decoração ou para a moda. Mas, para vivenciarmos toda essa leveza e profundidade, esse resgate que a bioarquitetura proporciona, é preciso mergulhar de cabeça na transformação da nossa maneira de encarar o mundo e se sentir pertencente e construtor do lugar que queremos viver e deixar para nossos filhos e netos na Terra”, finaliza Paula.

FOTOS GENTILMENTE CEDIDAS PELO BIOARQUITETAR

DESTAQUES

Ouça nossos podcasts para

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Juan Casemiro

Artista ganha exposição em BH com obras que transitam entre a arquitetura, poesia e o universo da classe operária brasileira

Dias de Sol

Pavilhão Praia, projeto dos arquitetos Caio Camargos, Ramon Duplá e Vinícius Fonseca pra CASACOR Minas 2022 é fluido e inteligente

Tem mágica no ar

Loja/galeria criada pela Alva Design e por Marina Tadeu no segundo andar do Palácio das Mangabeiras tem caráter mais cenográfico

Motorhome: a viagem

Projeto do escritório BCMF para CASACOR Minas 2022 apresenta uma proposta humanizada para quem ama levar a casa para viajar

plugins premium WordPress