AMO CURA!

Sexta edição do Circuito Urbano de Arte continua e leva à Belo Horizonte o encanto do Giramundo e de Mag Magrela

Insta: CURAGIRAMUNDOMAG MAGRELA

Quando o carinho por uma cidade é expresso de forma tão bonita, respeitosa e colorida como o Circuito Urbano de Arte tem feito em BH, isso pode significar Cura. Não só por serem letras que abreviam o festival, mas por um sentimento mais profundo que tem mexido com a população.

Todo ano o CURA se permite escutar, aprender, propor e se transformar. Nesta sexta edição, que começou no ano passado, ele se apresenta expandido na sua duração, nos modos de conviver na cidade e de experimentar encontros na rua.

Por isso, para somar à ideia de transformar a Praça Raul Soares no mais novo museu a céu aberto da capital mineira, o encantador Giramundo, um dos grupos mais antigos de teatro de bonecos do Brasil preparou uma instalação para ocupar a praça, inspirada no cosmograma bakongo, com os ciclos do universo, os movimentos do sol e as fases da vida humana, símbolo de recomeço. Ela foi inaugurada ontem e fica na Rauzona até o próximo dia 25. Portanto, tem que marcar uma ida lá, pra já.

Tem mais: a partir de quinta-feira, dia 17, será inaugurado o trabalho da multiartista Mag Magrela, que ocupa a empena do Edifício Savoy. Mag Magrela é desenhista, grafiteira, pintora, escultora, cantora e é também uma das referências nacionais na cena contemporânea de arte urbana traz suas formas femininas singulares e já tão reconhecidas no graffiti para falar sobre passado, resiliência, sobre passar por tempos difíceis, sobre cura.

Ao redor da praça já ganharam vida as obras dos artistas Ed-Mun e do Coletivo MAHKU – Movimento dos Artistas Huni Kuin: Kassia Hare Karaja Hunikuin, TxanaBanê e Itamar Rios, em empenas que imprimiram sons, cores e formas no horizonte da cidade e são como entidades que nos olham, com práticas e saberes que conectam futuro e ancestralidade.

Sobre o Cura

O Circuito Urbano de Arte realizou sua quinta edição em 2020, completando 18 obras de arte em fachadas e empenas, sendo 14 na região do hipercentro da capital mineira e quatro na região da Lagoinha, formando, assim, a maior coleção de arte mural em grande escala já feita por um único festival brasileiro.

Idealizado por Janaina Macruz, Juliana Flores e Prisicila Amoni, o CURA também presenteou BH com o primeiro e, até então único, Mirante de Arte Urbana do mundo na Rua Sapucaí.

FOTOS GENTILMENTE CEDIDAS PELO CURA

Serviço

CURA – Circuito Urbano de Arte, 6ª edição – 2ª etapa

Data: 14 a 25 de fevereiro

Local: Praça Raul Soares

DESTAQUES

Ouça nossos podcasts para

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Inspiração cenográfica

Projeto conjuga tijolo aparente, madeira ripada e régua de concreto, sintonizando ainda a volumetria e iluminação aos materiais com perfeição

Entre o Céu e a Terra

Em exposição em Nova York, trabalhos inéditos do artista brasileiro Ernesto Neto envolvem cores, texturas, sons, fragrâncias e materiais naturais

Architizer A+Awards

Premiação internacional que celebra o melhor da arquitetura tem três mineiros como finalistas, cada um em uma categoria diferente

Infinitas cortinas

Trabalhos do artista Manuel Carvalho merecem ser observados com calma e tempo, para que o mergulho entre camadas seja revelador