A arte de Carlos Rezende

Um trabalho que encanta por seus múltiplos percursos e propostas, algo que se amplia quando nos sentimos próximos do artista

Insta: Carlos Rezende

Uma obra de Carlos Rezende acompanha a história de Leopoldo Gurgel há algum tempo. Apaixonado por arte, ele a comprou em uma galeria de arte e sempre quis saber um pouco mais sobre o autor, que não conhecia pessoalmente. Recentemente, Leopoldo o encontrou nas redes sociais, fez contato e, para nossa surpresa, um vasto universo que mistura arte, filosofia, amplos e profundos estudos e uma ordem de pensamentos ora emaranhados, ora muito bem amarrados se abriu diante de nós.

O primeiro desejo foi compartilhar um pouco da história desse artista multidisciplinar, que primeiro escolheu a arquitetura, menos pela atração exercida pela profissão (pois a arte sempre lhe falou mais alto), e mais pelos professores com quem teria contato em sua grade curricular, principalmente os que posteriormente se tornaram seus amigos, como é o caso de Cláudio Tozzi.

Depois de se formar pela FAU – USP – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo, Rezende mudou-se para a Itália, onde primeiro estudou afrescos e história da arte na Accademia di Belle Arti di Roma e depois, a técnica de desenho Sanguínea, na Casa Buonarotti, em Florença e no Museu da Academia de Veneza.

Rezende é muralista, desenhista, gravador, fotógrafo e escritor, autor do livro “Os Véus, A.”, Edição Autoral, 2011. Ele já desenvolveu projetos de murais junto com o artista americano Sol Lewitt e também com o arquiteto brasileiro Ruy Ohtake, entre outros. Artista do circuito internacional, com exposições em Cingapura, Roma, Hong Kong e Zurique, também participa de mostras no Brasil.

Para falar um pouco de seu trabalho, escolhemos um texto de Ana Luisa Howard de Castilho, intitulado Blue Days 3, que resume e tenta traduzir um pouco dessa série, cujo trabalho, comentado no início desse texto, já nos encanta há muito tempo.

Blue Days 3

“Para o artista, a criação começa com a visão. Ver já é um ato criador.” (Henri Matisse)

Azuis são os dias em que nosso olhar para o mundo é mais introvertido. São os dias azuis vibrantes fundamentais para desafiarmos as certezas e esclarecermos as dúvidas. Lápis, fotografia, litografia, lito-offset, impressão em água-forte, módulos escultóricos e desenho digital.

Estes são os meios escolhidos por Carlos Rezende para representar como vê o mundo contemporâneo, transpondo o corpo – matéria anatômica – para o desenho do corpo, por meio de uma plataforma vetorial, que resulta no projeto de ‘módulos ficcionais de anatomia’, confirmando, assim, que o que lhe interessa é o ‘desenho de anotação’, termo cunhado por Renina Katz, e não a representação literal do objeto, como objetivava sua fonte de consulta e inspiração.

O artista se inspira no arquétipo do homem renascentista, à medida em que é arquiteto, artista, fotógrafo, escultor, escritor, e que também se preocupa com a técnica, buscando inspiração por meio da transpiração e da observação dos desenhos de botânica ou de anatomia, como os de Shinnin Kawaguchi, Adriaan Van Spiegel e Bernhard Seigfried Albinus, desenhistas que, por meio da observação, anotavam com o objetivo de conhecer o corpo humano, e davam a ele sua possível representação. Este trabalho foi de suma importância para os avanços da medicina durante mais de cinco séculos.

Apesar das dificuldades que possam ter surgido, idade, sexo e raça são alguns fatores que podem gerar variações entre as peças anatômicas, tais quais outras características permitem observar as variações na botânica. No entanto, o olhar sobre repetidas peças conduz o espectador a buscar elementos para organizá-las em blocos semelhantes e classificados, tal qual se faz ao definir uma seriação. Entre técnicas e materiais, Carlos Rezende se utiliza dos seus ‘blue days/dias azuis’ para propor um vínculo entre a seriação e os objetos representados. Contudo, o oficio do artista é pautado por indagações, que surgem do processo de construção de seu trabalho, e estas não são conclusivas. Ao contrário, elas permanecem abertas justamente para garantir a elas indispensáveis reformulações.

(Ana Luisa Howard de Castilho)

IMAGENS ACERVO CARLOS REZENDE

DESTAQUES

Ouça nossos podcasts para

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Trabalho com prazer

Arquiteta Laura Santos cria ambiente nada convencional para espaço corporativo, com layout e mobiliário funcional, sofisticado e que estimula produtividade

Casa no Cerrado

Paisagem de bioma brasileiro inspira projeto arquitetônico de casa em que uma escada e uma piscina no terraço são protagonistas

Ultraluxo

Rosewood São Paulo também se destaca pela arquitetura, design e por inúmeras obras de arte exclusivas que o hotel abriga

Desenho em movimento

Trabalhos da artista Clarice Panadés traduzem o movimento de forma direta. Tudo a ver com corpo e a ação imediata

plugins premium WordPress