Luxo natural

Projeto de David Guerra para Kûara Hotel mostra que cada detalhe foi pensado para traduzir o Brasil em pura beleza

Insta: HOTEL KÛARADAVID GUERRAFELIPE FONTESMÔNICA ROHLFSELISA ATHENIENSERITA LESSA

Uma localização privilegiada, em uma orgânica composição, cujo eixo principal é o Córrego do Mucugê e a Mata Atlântica, que floresce junto ao mangue, entre as famosas falésias de Arraial D’Ajuda, no sul da Bahia. O projeto de arquitetura assinado por David Guerra propõe estabelecer sólida simbiose com a riqueza da reserva, em uma construção vernacular e moderna, que também atende ao requinte e à sofisticação de um hotel de luxo.

Com uma linguagem contemporânea, moderna e marcante, o projeto alia detalhes de arquitetura e de interiores, com uma bossa bem brasileira. Na escolha dos materiais, a opção foi pela diversidade, com foco na madeira maciça em seu estado natural, trabalhada por marceneiros discípulos do mestre Zanine Caldas. Ela está presente nos pisos, forros e paredes, e também nas venezianas, brises e painéis modulados, utilizando espécies como cumaru, tatajuba, ipê e peroba.

Bambu, fibras naturais, palha, vime, couro, pedras brasileiras, e outros elementos artesanais fazem contraponto com revestimentos Florim, usados nos pisos e banheiros: apesar de industriais, trazem a sensação da pedra bruta natural, sem o inconveniente da infiltração de água.

Um estilo arquitetônico multicultural, autêntico e atemporal, que usa o verde predominante como parte indissociável da arquitetura. As peculiaridades começam na recepção, com painel desenhado pelo arquiteto, composto por uma malha de cumaru maciço e um belo detalhe em fórmica branca e fundo em fórmica vinho. Luz e sombras, cheios e vazados, claros e escuros. O contraste é o instrumento para a contraposição estética deste trabalho. Aí estão também a sala de TV e sala de descanso. O lavabo da recepção, revestido em pedras italianas continuam o raciocínio da contraposição das cores entre o caramelo da madeira, o vinho das paredes e o grafite do piso.

Uma passarela liga a recepção à área de lazer do Hotel. O guarda-corpo indica o caminho e assume o protagonismo, percorrendo o hotel em um belíssimo jogo de volumetria arquitetônica, amarrando os edifícios, os quais, apesar de aparentemente separados entre si, estão intimamente conectados nesta trama.

A piscina de 500m2 de borda infinita joga com nossa perspectiva, ao colocar-se em frente ao oceano, levando à sensação da conexão com o mar. A forma de L envolve o restaurante delimitando o lounge da varanda, e segmentando a prainha, amparada com confortáveis espreguiçadeiras, além da presença da hidromassagem. A sauna ao lado da piscina permite completar a plena experiência de relaxamento.

O restaurante à beira mar é um dos pontos mais belos e imponentes do projeto. Um de seus pontos altos é o conjunto de 130 luminárias, produzidas artesanalmente por artesãos da região. O resultado é um conjunto orgânico e harmônico.

Para além do deck da piscina, há um bar, com o lounge da areia a cinquenta metros do oceano preenchido por sofás e espreguiçadeiras. As luminárias do bar, rodas de fibra de coco com diâmetro de um metro, são permeáveis em dois sentidos. À noite, a trama da fibra permite que a luz se espalhe tanto por baixo quanto na lateral, fazendo uma bonita composição espacial de iluminação sobre o salão.

Por último, a parte privada, com 46 quartos, variando entre 35 e 69 m2, além de mais 4 suítes “superluxo” de 139m2, que incluem sala de estar, varanda, cozinha equipada, lavabo e varanda com mesa para 10 lugares e dois sofás de balanço. Os quartos são equipados com ar condicionado e frigobar silenciosos, blackout total, colchão italiano e paredes com isolamento acústico, intensificando a sensação de descanso e conforto.

Além de toda esta bela infraestrutura, o hotel conta com 2 quadras de tênis, uma academia, e lavanderia de última geração. O Spa da L’Occitane é um edifício independente, com 4 salas de massagem equipadas com mesas de massagem, chuveiro duplo e banheiras de imersão.

O projeto paisagístico é de Felipe Fontes, o luminotécnico de Mônica Rohlfs, o trabalho em tressê em couro é assinado por Elisa Atheniense e a artista Rita Lessa é a autora das peseiras, almofadas e passadeiras de mesa, elementos cheios de brasilidade

FOTOS: JOMAR BRAGANÇA

DESTAQUES

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Atração e repulsa

Ruídos, exposição da artista Berna Reale, em cartaz no CCBB BH, apresenta um recorte da extensa produção da artista paraense

Muito além dos muros do museu

Série audiovisual Caminhadas, lançada recentemente pela Oficina Francisco Brennand é um convite para uma jornada pela de redescobertas e inspiração

Cheio de graça

Reforma de um apartamento no centro de Belo Horizonte apresenta soluções que conferem uma digital única a todos os ambientes

De bem com a vida

Projeto paisagístico de Flavia D’urso em propriedade no sul da Bahia respeita a natureza e cria um paraíso muito particular.

plugins premium WordPress