Furacão de ideias

Mais do que isso, a designer Carol Gay se destaca pela consistência do trabalho que flui a partir da experimentação

Insta: Carol GayCarol Gay Estudio

O portfólio da designer Carol Gay é extenso, intenso e inspirado. Ela diz que muitas peças não teriam acontecido, não fosse sua insistência. A experimentação, a presença do feito a mão e a busca constante de novos materiais são características marcantes de seu trabalho. Acostumada a vasculhar as lojas do centro de São Paulo em busca de novidades que atraiam seu olhar experiente, ela também traduz em objetos o que a memória afetiva lhe oferece. Pode ser algo vivido na infância, quando já inventava novos usos para as coisas do universo caseiro ou de agora, com a experiência da maternidade. Mãe de gêmeos prestes a completar três anos, ela diz que os pequenos a ajudam a olhar para o novo com mais calma, embora não tenha perdido o desejo de transgredir a matéria de sua função original, propondo novos significados.

Formada em arquitetura, ela acreditava, até o último ano de faculdade, que seria esse seu caminho profissional. Enquanto o sonho não se concretizava, Carol buscava cursos que desenvolvessem seu lado criativo. “Eu queria mais e sempre corria ia atrás de conteúdos que me atraíssem”, diz. Já no final do curso, um amigo a chamou para fazer um workshop com os Irmãos Campana no MUBE. “Nos encontrávamos uma vez por semana e o curso era mais uma construção de repertório, de liberdade de criação e experimentação. Um ano depois, seu trabalho foi parar em Verona, na Itália. A peça, a luminária espelho Caracol, feita de base de pizza e mangueira iluminada, circulou pela mídia especializada e, a partir daí, a arquiteta começou a ceder espaço também para o design.

A experiência prática em sua formação veio na sequência, quando trabalhou por dois anos na na Tok & Stok. “Para mim, era o melhor lugar que eu enxergava poder aprender mais no Brasil. Foi muito bom, queria ver a fábrica, saber como eram os processos. Agrega fazer coisas que te dão conhecimento em outras áreas. Conhecimento nunca é demais”, avalia. O trabalho na importadora Urban também ensinou a Carol o outro lado da moeda, o dos negócios, enquanto ainda fazia alguns projetos de arquitetura e produzia peças.

Desde o início da carreira, a designer sempre participou de várias exposições, como a primeira na Itália e na 500 Anos Brasil Design, na Pinacoteca, ambas em 2000. Uma das primeiras peças que fez foi um revisteiro, feito de plástico PVC e aço com chapas de segunda mão, o que já apresentava uma das bases do trabalho de Carol, a sustentabilidade. “Gosto de levantar questões de reaproveitamento através das minhas criações”.

Às vezes, uma criação da designer demora para se revelar. Foi o que aconteceu com a chaise Cinto, por exemplo. “É comum eu ter materiais guardados. Fico olhando para eles até eles terem uso”, comenta ao explicar que, nesse caso, foi necessário um tempo, já que o que queria não era apenas uma cadeira feita de cintos, mas pensar no trançado, juntar as cores, se aproximar da cadeira de praia até que forma e função se fundissem.

Outras vezes, ela nem imagina que um trabalho vá repercutir e acontece dele virar uma sensação. Foi assim, por exemplo, com a mesa Cobre. Era uma encomenda para um hotel no Rio de Janeiro, a pedido de um amigo. Carol pensou na trama dos canos de cobre atrás de paredes, que cumpriam uma função, mas que ela queria dar outro uso. A foto, mostrada para Taíssa Buescu, diretora de conteúdo da Casa Vogue, saiu em página inteira na revista e depois conquistou Waldick Jatobá, da MADE, que a colocou no centro da exposição. “Mudamos um pouco a forma, o acabamento, dei uma sofisticada colocando a cor em evidência. Acabou virando uma edição limitada que elevou a mesa para outro patamar que, na época, eu nem imaginava.”

Seja nas edições limitadas ou no trabalho em série, o fato é que o trabalho de Carol Gay sempre tem identidade e cada peça é tratada como única. Nas séries, por exemplo, que ela tem feito utilizando vidro soprado, as peças são parecidas, mas nunca iguais.  Em tudo, o que a designer mais gosta é de experimentar, testar os limites, torcer, dobrar, ir fundo em cada criação. Além de explorar os materiais ao máximo, de fazer com as mãos, ela também não perde a oportunidade de ir ao fornecedor, conversar longamente, entender todos os processos.

Carol Gay desenvolve peças para empresas internacionais, móveis, luminárias e objetos para empresas nacionais, além de ter sua própria empresa, que nasceu a partir da mesa Cobre. Há algo de inquietante em tudo o que assina, como há foco e potência em seu trabalho que, como no começo desse texto, compõe um vasto portfólio, que destaca o design brasileiro não só aqui, mas em outros países.

FOTOS DO ACERVO DA DESIGNER

DESTAQUES

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Atração e repulsa

Ruídos, exposição da artista Berna Reale, em cartaz no CCBB BH, apresenta um recorte da extensa produção da artista paraense

Muito além dos muros do museu

Série audiovisual Caminhadas, lançada recentemente pela Oficina Francisco Brennand é um convite para uma jornada pela de redescobertas e inspiração

Cheio de graça

Reforma de um apartamento no centro de Belo Horizonte apresenta soluções que conferem uma digital única a todos os ambientes

De bem com a vida

Projeto paisagístico de Flavia D’urso em propriedade no sul da Bahia respeita a natureza e cria um paraíso muito particular.

plugins premium WordPress