Colorido especial

Fachada do Museu de Arte e Ofícios ganha intervenção do arquiteto Silvio Todeschi para celebrar a Festa da República Italiana

Insta: Consulado da Italia em Belo HorizonteSilvio TodeschiCasacor MinasMuseu de Artes e Ofício

Verde, branco e vermelho. A fachada do Museu de Artes e Ofícios, localizado na Praça Rui Barbosa, mais conhecida como Praça da Estação, em Belo Horizonte está vestida com a bandeira da Itália e o motivo é muito especial. É uma das homenagens que o Consulado da Itália na capital, que tem à frente o Cônsul Dario Savarese, está fazendo para comemorar a Festa della Repubblica.

Vistas aéreas da instalação

A intervenção, assinada pelo arquiteto Silvio Todeschi, parte de estruturas infláveis e pode ser vista ao longo do dia, mas, em função da iluminação, o melhor período de apreciação é o noturno. “A nossa ideia nessa homenagem foi criar estruturas infláveis baseadas em fragmentos da bandeira italiana. Esses elementos coloridos interagem com o prédio, que foi projetado em 1922 pelo arquiteto italiano Luis Olivieri, de uma forma lúdica e, ao mesmo tempo, respeitosa”, comenta Todeschi.

A Festa della Repubblica é uma das mais importantes para os italianos. No dia dois de junho, de 1946, depois de 85 anos de monarquia, sendo 20 deles regidos sob a égide do fascismo, os italianos foram às urnas para escolher o modelo republicano como forma de governo. Nascia assim a República Italiana e, a partir de então, a comemoração marca esse dia emblemático com grandes manifestações populares.

“Junto a todo esse sentimento de incerteza e dor, percebemos, dia após dia, a crescente vontade de um novo início e de uma espécie de renascimento, como naquele em dois de junho de 1946, quando o povo italiano tomou nas mãos o próprio destino e instaurou as bases de uma República democrática e unida. É também uma ocasião para celebrar aquilo que mantém nosso país unido: um senso profundo de pátria e de unidade moral, civil e linguística, sempre respeitando as diversidades. Ideais profetizados pelo escritor, poeta e político Dante Alighieri, considerado o pai da nossa pátria por ter sido o primeiro e maior poeta da língua italiana”, destaca o Cônsul Dario Savarese.

Um pouco da história de BH

A criação da Praça da Estação coincide com a fundação de Belo Horizonte no final do século XIX. Antes mesmo da inauguração da capital, a região nas proximidades da Estação já apresentava quarteirões em formação, com restaurantes e edificações novas atraindo ao local um movimento regular de pessoas. E a Estação Central era, desde os tempos inaugurais da nova capital, uma importante referência urbana.

“Quando se fala que o coração de Belo Horizonte pulsa na praça da estação não é à toa. Foi aqui onde a sociedade mineira convergiu na época da criação da cidade. Com a chegada e a partida dos trens havia o movimento das pessoas e de todo o material e comércio que aqui chegava e daqui saía. Então a vida na praça da estação era intensa e este prédio foi construído nessa época, inspirado no neoclássico italiano, que florescia na Europa daquela época”, comenta Angela Gutierrez.

FOTOS CEDIDAS PELO MUSEU DE ARTES E OFÍCIO/CONSULADO DA ITÁLIA EM BELO HORIZONTE/LUISA JORDA

VÍDEO: NY18

DESTAQUES

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Atração e repulsa

Ruídos, exposição da artista Berna Reale, em cartaz no CCBB BH, apresenta um recorte da extensa produção da artista paraense

Muito além dos muros do museu

Série audiovisual Caminhadas, lançada recentemente pela Oficina Francisco Brennand é um convite para uma jornada pela de redescobertas e inspiração

Cheio de graça

Reforma de um apartamento no centro de Belo Horizonte apresenta soluções que conferem uma digital única a todos os ambientes

De bem com a vida

Projeto paisagístico de Flavia D’urso em propriedade no sul da Bahia respeita a natureza e cria um paraíso muito particular.

plugins premium WordPress