ATELIÊ ABERTO
Órbita Encantada

Ateliê Aberto mergulha e sobe à tona em ato contínuo, ao perscrutar o trabalho da artista Juliana Gontijo

Insta: GALERIA MURILO CASTROJULIANA GONTIJO

Juliana Gontijo cria mundos. Ou incita brechas para que mundos se criem a partir de suas investigações, suas observações. Mas é certo que ela cria mundos. Se é uma manifestação do invisível na realidade ou se é o avesso disso o que aflora, esse mistério não é para ser solucionado, mas para ser mantido próximo.

Para a artista que nasceu em Belo Horizonte e se formou em Artes Visuais pela UFMG, nada é pura materialidade. Por isso, ao entrar no espaço onde ela parece estar em permanente estado de criação é preciso andar devagar, respirar devagar, observar, ser observada, sentir mais que pensar.

O ambiente onde a casa começa é de uso coletivo. Ocupa quem quiser ou precisar. Próximo dali o pequeno ateliê da artista é totalmente aberto para a sala. Sim, ele não tem portas, mas é onde ela fica sozinha e dá vazão à sua arte. “Acho que tem a ver comigo. Minha intimidade precisa ser aberta, não consigo ser diferente”, ela diz.

O dia de Juliana pode começar com a leitura de um livro, com a escrita, com um desenho, pintura ou outras formas de expressão. Ela conta que uma coisa suscita à outra, numa ação que se desencadeia naturalmente e que vai despertando o que pode ser chamado de encantamento da vida, quando as coisas surpreendem muito além de serem meramente o que são.

Este ano, Juliana Gontijo participou, junto com outros sete artistas, entre brasileiros e estrangeiros, da Residência Artística FAAP, em São Paulo, mantida no Edifício Lutetia, um prédio histórico a poucos metros do Viaduto do Chá. O espaço se propõe a pesquisa, investigações e o desenvolvimento de projetos, ações e conexões.

Nesses quatro meses de residência Juliana se propôs a estudar plantas que são tradicionais na nossa cultura, aquelas que estão em frente a pequenos comércios, por exemplo, como a espada de São Jorge, Comigo ninguém pode e Guiné. “São sobreviventes que parecem furar tempo e espaço e se mantém presentes em meio a uma sociedade que se diz muito desenvolvida”, diz.

Dali surgiu a série “As Plantas Criam Mundos”, que vai ganhar uma exposição individual na Galeria Murilo Castro, em Belo Horizonte, em novembro deste ano. A partir da ideia do poder invisível das plantas, a artista criou situações em que a potência desse poder se revela sem a necessidade de, pela materialidade de seu trabalho, ser revelada. É algo além, extremamente mais sutil.

É o que propõe a tela GUINÉ, por exemplo, acrílica diluída em chá de guiné e carvão sobre tela; ou a tela QUEBRA DEMANDA, que utiliza tinta acrílica diluída em chá de quebra demanda, nanquim e carvão sobre papel; ou ainda a que se chama ALECRIM, que utiliza tinta diluída em chá de alecrim, carvão e pó de pemba sobre tela.

Através da operação de pequenos desvios, o trabalho de Juliana aponta para o desejo da subversão de um discurso linear e lógico. À artista interessam narrativas que não se prestem à criação de fundamentos, aquelas que permitem, dentro do corpo do texto/ imagem, a emergência de contradições e dúvidas e que criem “fronteiras alargadas” por onde devem atravessar as complexidades da experiência de seu próprio corpo (físico, sensível e político) no tempo e no espaço.

No final da experiência de conhecer um pouco do ateliê da artista, de falar, conversar e sobretudo escutar o que ela fala de seu percurso, fica a certeza de que, ao mesmo tempo em que Juliana busca sua expressão em composições híbridas, ela permite a todas os suportes que utiliza – da pintura ao desenho, do objeto ao vídeo, à fotografia, som e texto – que sejam eles que busquem sua própria expressão através do que ela produz.

FOTOS – ÁLVARO FRÁGUAS

DESTAQUES

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Atração e repulsa

Ruídos, exposição da artista Berna Reale, em cartaz no CCBB BH, apresenta um recorte da extensa produção da artista paraense

Muito além dos muros do museu

Série audiovisual Caminhadas, lançada recentemente pela Oficina Francisco Brennand é um convite para uma jornada pela de redescobertas e inspiração

Cheio de graça

Reforma de um apartamento no centro de Belo Horizonte apresenta soluções que conferem uma digital única a todos os ambientes

De bem com a vida

Projeto paisagístico de Flavia D’urso em propriedade no sul da Bahia respeita a natureza e cria um paraíso muito particular.

plugins premium WordPress