Tempo entre parêntesis

Inaugurada há 20 anos, casa com projeto de Zilda Santiago e Anamaria Diniz não elege calendário para ser sempre presente

Insta: Zilda Santiago e Anamaria Diniz Arquitetura

Gostosa de ver, o que dá para deduzir que é gostosa de morar e, pela experiência de cada centímetro de parede erguida e piso assentado, gostosa de projetar também. É esse o sentimento das arquitetas Zilda Santiago e Anamaria Diniz em relação a essa casa, situada em um condomínio próximo a Belo Horizonte.

Já se foram 20 anos desde que ela foi inaugurada e o impacto que causa continua o mesmo. O segredo? Uma mistura do carinho dos proprietários, que queriam morar bem e que a casa trouxesse um pouco da personalidade deles, com o carinho das profissionais, que souberam traduzir esses desejos nos ambientes e nas áreas externas. Uma moradia atemporal, porque não se atrela a modismos e sim ao gosto particular de quem vive nela.

A mistura de peças antigas e muita transparência permite aconchego e, ao mesmo tempo, integração com a área externa. Implantada em um terreno de dimensões generosas, a casa se esparrama. Teve ainda o privilégio de usar em sua estrutura, toras de eucaliptos – a devidamente tratadas – nativas do local.

Internamente, o forro em madeira tipo ‘saia e blusa’, em que a madeira se encaixa em reentrâncias e saliências, traduz no teto a essência natural que está por toda parte. Portas de demolição, um toque balinês, piso em cimento, pedra e ladrilho hidráulico e, nos quartos, em madeira, compõem esse bem formulado mosaico.


A cozinha é um dos destaques, aberta, com janela camarão e balcão antigo bem ao centro, palco de uma orquestra de histórias. Elas passam pelo ladrilho hidráulico espanhol, percorrem a geladeira retrô, peças lendárias como uma grande caixa registradora e muitos outros detalhes que podem parecer vindos de um cenário, mas não a deixam menos funcional.

Cores, pé direito alto, um jardim de inverno bem no meio da sala fazendo a circulação dos quartos e bastante usado pelos moradores vão sendo registrados pelo olhar atento. São quatro suítes, sendo a principal, a maior, aberta para uma charmosa varanda. Nela, as amarrações à mostra das toras de eucalipto da estrutura mostram que, aqui, todo detalhe é parte do contexto. Um lago com cascatinha rodeia a casa, dando o arremate perfeito a um conjunto bastante harmonioso em que faz parte até mesmo a cor escolhida para a fachada externa, um azul miosótis.

FOTOS: Jomar Bragança

DESTAQUES

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Atração e repulsa

Ruídos, exposição da artista Berna Reale, em cartaz no CCBB BH, apresenta um recorte da extensa produção da artista paraense

Muito além dos muros do museu

Série audiovisual Caminhadas, lançada recentemente pela Oficina Francisco Brennand é um convite para uma jornada pela de redescobertas e inspiração

Cheio de graça

Reforma de um apartamento no centro de Belo Horizonte apresenta soluções que conferem uma digital única a todos os ambientes

De bem com a vida

Projeto paisagístico de Flavia D’urso em propriedade no sul da Bahia respeita a natureza e cria um paraíso muito particular.

plugins premium WordPress