Sem flash

A fotografia analógica ganha cada vez mais adeptos e é comemorada mundialmente no Pinhole Day, no último domingo de abril

Insta: PINHOLE DAY BHALEXANDRE LOPESSTUDIO FÓTICOTIBÉRIO FRANÇACASA DE FOTOGRAFIANETO MACEDODALILA COELHOFESTIVAL DE FILMES VENCIDOSSUPERCAMERACLEBER FALIERI

Praticidade, velocidade, qualidade. Em um mundo em que tudo é rápido e muitas vezes instantâneo, o digital rege vidas como se fosse impensável deixar de acelerar. Tudo é para ontem, o agora já é passado. Nessa fome do novo, os detalhes passam despercebidos, os olhares se desencontram, os encontros se distanciam. E o novo nunca acontece, porque tudo é velho de um dia para o outro.

Esse exercício de pensamento vem em justa hora. O último domingo de abril, dia 24, é a data escolhida do Pinhole Day, um evento internacional criado com o objetivo de promover e celebrar a arte da fotografia pinhole. A ideia desse dia é que as pessoas deixem de lado, por um momento, o mundo em que vivem, altamente tecnológico, tirando uma fotografia com essa técnica.

E por que a fotografia pinhole? Porque é uma experiência pessoal, única.

A fotografia pinhole permite que você faça uma foto que necessita apenas de um recipiente protegido contra a luz, que pode ser uma prosaica caixa ou uma lata, com um minúsculo furo em um lado, como uma câmera e contendo material fotossensível em seu interior (papel, filme…). Você pode adaptar uma câmera já existente ou fazer uma dessas, artesanalmente. A experiência é um pouco mais especial quando se faz a própria câmera. Isso abre a possibilidade de ser mais criativo e também mais seletivo na obtenção de cada foto. “Coisas mágicas acontecem na fotografia pinhole…”, diz no site do pinhole day.

O movimento cresce a cada ano, desde que foi criado, como cresce o interesse pela fotografia analógica. Para além do pensamento nostálgico que ela possa sublinhar, essa forma de captação de imagens, em preto e branco ou coloridas, está longe de atingir o obsoleto.

Para o fotógrafo e educador Alexandre Lopes, esse interesse parece estar ligado à necessidade de desacelerar um pouco: “A fotografia analógica te oferece isso, te faz criar de uma maneira diferente. Ela pega pelo acaso, pelo inusitado e pelo erro e cria dinâmicas de raciocínio que costumam oferecer surpresas, muito em função da velocidade como as coisas se processam, pois diz respeito a um tempo dedicado a esse fazer”, comenta.

Não só no Brasil, mas no mundo todo, há uma retomada de festivais exclusivos voltados para a fotografia analógica. Acadêmicos, pesquisadores e herdeiros desses equipamentos também fazem parte do grupo de interessados. Quem escolhe a fotografia analógica cria uma relação umbilical com cada fotograma já que, afinal, eles são limitados. Também é comum que passe a ter muito mais cuidado na composição, observando mais a luz. Clica muito menos e cria muito mais. Talvez, para quem usa a fotografia analógica, o movimento “slow”, que prega a desaceleração na vida moderna, seja algo mais natural.

A pesquisa realizada pelo fotógrafo Neto Macedo em março de 2021 aponta um dado interessante: atualmente, o maior grupo de fotógrafos analógicos é jovem. “O fato de termos 36,1% de pessoas de 18 a 25 anos fazendo fotografia analógica no Brasil mostra que há um nicho a ser explorado e criado entre pessoas mais novas. O interesse existe. Sobretudo se o acesso a filmes, químicos e serviços de scanner/revelação fossem menos custosos”, diz a pesquisa.

A pesquisa aponta ainda que 74,1% dos fotógrafos analógicos (18 a 34 anos) são pessoas que não vêm do background da fotografia profissional analógica. Afinal, eles nem têm idade para ter sido profissionais quando o analógico era o padrão. Talvez nunca tenham usado câmeras analógicas em sua infância e/ou adolescência. “Em outras palavras, há um sinal de que o analógico tem apelo para pessoas jovens, que rejeitam o digital ou não enxergam o digital como única via”, comenta a pesquisa.

Em Belo Horizonte há vários coletivos com esse foco, como o NIL, Núcleo de Imagem Latente, formado por Alexandre Lopes, Tibério França, fotógrafo e professor na Escola Guignard, Cleber Falieri, que comanda o laboratório de fotografia da Belas Artes e Alexandra Simões, fotógrafa e pesquisadora. Esse é o grupo que promove o Pinhole Day em BH há mais de 20 anos. “Esse dia é especial, escolas e coletivos, no Brasil e mundo afora, produzem dessa forma artesanal, o que atiça uma outra forma de produzir e de ver as imagens. É uma abordagem que propõe uma outra maneira de enxergar. Não é uma fotografia muito limpa, nem rígida, tem distorções que, de certa maneira, assinam esse tipo de produção. Todo mundo bate o olho na imagem e já intui que foi feita com câmera artesanal”, comenta Alexandre.

Sobre o próximo domingo, que terá como palco para o Pinhole Day em Belo Horizonte a praça de Santa Tereza, ele acrescenta: “As pessoas estão sendo comunicadas pelas redes sociais e nesse dia vamos fazer demonstrações do uso do processo de raio x, além de levar uma câmara escura gigante, para que elas possam entrar dentro dela e ter a sensação de como é formada a imagem. Também vamos levar câmeras menores, feitas com caixa de papelão”, diz, acrescentando que, além de fotografar, vão revelar as fotos. “Esse dia é interessante porque fazemos contato com diversas pessoas, principalmente professores educadores da rede pública e tentamos levar essas informações para as escolas. A ideia é disseminar essas informações”. Mais que isso, o que esses grupos e coletivos ligados à fotografia analógica fazem é difundir a possibilidade do exercício de um pensamento crítico, algo cada vez mais difícil de encontrar em um mundo pasteurizado pelas imagens “perfeitas” geradas nas redes sociais.

FOTO DE CAPA  –  PINHOLE REVELADA EM RAIO X, POR CLEBER  FALIERI

DESTAQUES

Ouça nossas playlist em

LEIA MAIS

Atração e repulsa

Ruídos, exposição da artista Berna Reale, em cartaz no CCBB BH, apresenta um recorte da extensa produção da artista paraense

Muito além dos muros do museu

Série audiovisual Caminhadas, lançada recentemente pela Oficina Francisco Brennand é um convite para uma jornada pela de redescobertas e inspiração

Cheio de graça

Reforma de um apartamento no centro de Belo Horizonte apresenta soluções que conferem uma digital única a todos os ambientes

De bem com a vida

Projeto paisagístico de Flavia D’urso em propriedade no sul da Bahia respeita a natureza e cria um paraíso muito particular.

plugins premium WordPress